história do brasil - em 10 tomos (adour)

| | Comentários (1)

história do brasil - em 10 tomos

a Rocha Pombo

 

I

Portugal viu acaso a terra escondida e se apossou dela.

            A gente lusa desorientada em face daquele imprevisto não pôde imaginar o que era aquela terra. Uma ilha perdida no mar imenso. Mas se apossou e comunicou o feito ao venturoso Manuel, todo contente no sonho grandioso das conquistas bravas da sua gente, que já havia traçado o gráfico para os lados do Índico.

            E agora um acaso lhe trazia a nova de mais uma façanha que foi além da imaginação dos discípulos de Sagres.

            Na fronta cabralina viajava um escriba a soldo para relatar acidentes tormentosos e morosidades daquelas jornadas à aventura. E relatou o que viu. No seu memorial de posse falou da terra com ternuras moliengas. A terra era deslumbrante e fresca. Ele viu logo que ela "era boa e fermosa". E deu-se pressa de acrescentar que "em se plantando dar-se-á nela tudo".

            Os homens de terralém, muito [trecho ilegível] realizaram uma nova expedição e armados de morrões e roteiros enfrentaram as águas marinheiras ainda povoadas de assombrações. E tentaram encher a terra de gente, mas ela era muito grande de mais. Portugal era despovoado. Não tinha o hábito da colonização. E começou a mandar a sobra da sua gente para a ilha estranha. Como condenada. Porque a terra era longínqua e o mar encrespado ameaçava...

 

II

Os anos se passaram e a gente lusa receosa foi se abeirando de um litoral sem fim e a pouco e pouco foi se estendendo para o centro. E de lado a lado aquela gente percorria a grande terra sem se aperceber do seu tamanho e o que significavam tantas extensões, enormes e misteriosas...

            O pau vermelho luziu como numa sugestão de futuras grandezas.

            Começa um novo ciclo.

            Era a primeira expressão econômica que surgia.

 

III

E vendo que nasciadessa nova descoberta uma tentativa de comércio, os civilizados traficaram, transportando para as estranjas aquela mercadoria. Mas sem método, sem grande cobiça, os lusos não souberam tirar os proveitos que poderiam advir desse negócio de tão boas perspectivas.

 

IV

O Brasil foi descoberto a segunda vez pelos franceses.

 

V

Foi então quando os iniciados em Dieppe viram e compreenderam. Aquela terra nova e renegada a uma colonização deficiente era um paraíso de promissão. E se fizeram ao largo para a cobiça das grandes civilizações.

 

VI

Os primitivos donos sem se aperceberem do valor e grandeza da terra pouca importância deram aos novos domínios conquistados. O domínio lusitano não poderia interessar aos franceses, por isso que era desinteressante e áspero. E transpor os mares era uma empresa arrojada demais para tentar qualquer comércio sistemático. E assim os anos dobraram e a colonização francesa tomou caráter mais sério.

 

VII

Enquanto Portugal nos enviava os seus colonos, da França vinham até nos os seus melhores cavalheiros. Era Duguay Trouin. Era um Coligny, o almirante; Villegaignon, o pensamento protestante...

            E das brumas da nova terra foi surgindo a França Antarctica. La Ravadiére. Claude d'Abeville. Era o entrechoque de duas civilizações no desesquilíbrio de uma cultura.

 

VIII

Os franceses advertiam aos lusos a significação do novo país.

            E Portugal despertou numa tentativa sanguinolenta de expulsão.

            Os franceses abandonaram a terra.

            Mas o espírito gálico ficou e se insinuou na alma da nova gente que se estava caldeando.

            Dolorosa foi essa separação. Separação vital, tremenda!

 

IX

Terminado um ciclo colonial, começou a comunhão do espírito franco-brasileiro. E o Brasil não poderia separar-se em espírito do claro gênio dos gauleses. E a nossa história se sucede animada aqui e ali por um vulto de França. De século para século esse traço se adelgaça. Mas se acentua. Em profundidade.

            Uma explicação antropofágica desvena um mundo de sugestão.

            Oswald de Andrade viu a revolução Caraíba maior que a revolução francesa. E acrescenta no manifesto antropofágico que sem nós a velha Europa não teria sequer a sua declaração dos direitos do homem.

            "A unificação de todas as revoltas eficazes na direção do homem" (Manifesto).

 

X

A América revelou à Europa o homem simples, o homem natural, integrado na sua máxima expressão de liberdade.

            E aqueles homens simples mandados do Brasil à corte de França, na coroação do Rei, estranharam que se dignificasse o homem fraco e mirrado, deixando a seu lado o homem forte que tudo pode. (História de França). E esse reflexo do homem forte e simples impressionou o espírito dos filósofos. Montaigne. E o que era uma mera sugestão, mais tarde se positivou numa campanha reivindicadora. A enciclopédia refletiu esse espírito. Rousseau não poderia conceber o contrato social sem o exemplo dado pela simplicidade lógica dos aborígenes. E assim se explica a ligação filosófica da França eterna ao Brasil novo e misterioso.

            O "surrealisme", que um momento comunicou ao espírito francês a mais intensa vibração, já existia no Caraíba como num estado latente.

Jayme Adour da Câmara, Revista de Antropofagia, 7 de abril de 1929

1 Comentários

Acho que a farsa do Modernismo brasileiro precisa ser desmontada. Até aqui eu incluía Oswald de Andrade pelo pouco que dele conhecia (João Miramar é bem ruinzinho), mas principalmente pela incongruência entre as idéias do manifesto Pau-Brasil e a práxis do Modernismo pretensamente nelas (também) baseadas.

Me parece que os poetas modernistas contam, como explicito num artigo em gestação, o conteúdo (?) da redoma em que vegetam, excluído o conteúdo do armário-tabu que, dentro dessa redoma, protegem até da própria redoma. Poetas modernistas (e qual não é, nos últimos 90 anos?) dão tudo o que o establishment dos messianismos quer: alienação total, desde as máquinas que menstruam, em Manoel de Barros (um poeta de fama contraditoriamente marquetada por Millôr e desmarquetada por Jabor), até o defunto que deveria piscar (Mário Quintana), passando pela Pasárgada (ou o rei dela) desejada por Manoel Bandeira, e ainda as facas, pedras e ladainhas de João Cabral. Sem contar a implicância do Drummond Mãos de Tesoura com pessoas que ousaram, em plena guerra de países do Norte (ainda não havíamos sido escalados para dela participar), ir tomar banho de mar em Ipanema.

Mas vou dar uma geral no Oswald para conferir.

desmandamentos

  • Ninguém tem o direito de obedecer
  • Só me interessa o que não é meu
  • A vida é roubo
  • Visto que o ser é o ter, segue-se que toda coisa deve ser ávida.
  • Pelo ócio e contra o neg-ócio
  • Creio na insurreição da carne
  • Sexo e estômago são as partes mais iluminadas pela consciência do homem, o consciente antropofágico
  • O que faz do comunismo, como de qualquer movimento coletivo, uma coisa importante é ainda e sempre a aventura pessoal
  • A verdadeira mãe (solteira) da invenção é a preguiça. A necessidade está interessada só nos direitos de propriedade intelectual.
  • É tarefa do futuro ser perigoso
  • Direito de ser traduzido, reproduzido e deformado em todas as línguas
  • Nosso corpo é apenas uma estrutura social de muitas almas
  • A incorreção é uma eminente qualidade
  • O que mais me admira é que as populações que vivem no frio e na lama não queimam os vossos palácios
  • Continuo acreditando num retorno ao primitivismo. Sem a intuição estaremos perdidos.
  • O espírito recusa-se a conceber o espírito sem o corpo.
  • O período matriarcal é a poesia da história.

Totens

  • Oswald de Andrade
  • Alfred North Whitehead
  • Gabriel Tarde
  • Pierre Clastres
  • Gilles Deleuze
  • Hélio Oiticica
  • Flávio de Carvalho
  • Montaigne

Páginas

Categorias



Powered by Movable Type 4.1